domingo, 11 de outubro de 2015

CERIMÓNIAS DA DEUSA - UNIÃO DE MÃOS

Cerimónias da Deusa
União de Mãos
por Luiza Frazão




A MAGIA CERIMONIAL

Na espiritualidade da Deusa, Cerimónias são atos poderosos e transformadores, imbuídos de beleza e de sagrado, em que a energia da Deusa é invocada a fim de que Ela atue em nós, nas nossas vidas e no mundo.
Cerimónias podem ser concebidas e desenhadas para todos os momentos importantes da vida, todos os ritos de passagem, ou simples momentos em que nos sentimos aptas/os a entrar em outro ritmo e dimensão e que por isso mesmo queremos impregnar da marca do sagrado, convidando amigas/os e familiares para serem nossas testemunhas e apoiantes e para connosco celebrarem, ou fazendo-o em privado.

PLANIFIQUE A SUA UNIÃO DE SONHO

O ambiente onde se realiza esta cerimónia é o de um Templo sagrado, que pode ser criado especialmente para a ocasião num interior, ou ser um sítio de sonho na natureza, bosque, jardim ou praia. A cerimónia inclui a invocação da Deusa e de todas as entidades divinas cuja presença na ocasião seja desejada pelo casal. Depois de ter recebido bênçãos dos elementos, Ar, Fogo, Água e Terra, o casal é convidado a exprimir os sentimentos que os/as unem, honrando o seu amor, compromisso e ligação de almas. Nesse espaço sagrado serão então pronunciados os votos solenes que unirão o par de forma profunda, na presença da Deusa e de todos os seres divinos invocados, da família e das pessoas amigas que terão o especial privilégio de igualmente serem abençoadas pela celebração e irradiação do Amor.

Unção sagrada

Esta celebração pode ainda tornar-se mais profunda, significativa e transformadora quando complementada com a cerimónia preparatória da unção das/os noivas/as, uma antiquíssima tradição, realizada no âmbito do Hieros Gamos, o casamento sagrado. É enquanto Sacerdotisa dedicada ao serviço da Deusa Rhiannon que Luiza Frazão realiza esta cerimónia na qual a noiva é igualmente convidada a desempenhar a função de Sacerdotisa.

AMAI-VOS

Amai-vos um ao outro,
mas não façais do amor um grilhão.

Que haja antes um mar ondulante
entre as praias da vossa alma.

Enchei a taça um do outro,
mas não bebais da mesma taça.

Dai do vosso pão um ao outro,
mas não comais do mesmo pedaço.

Cantai e dançai juntos,
e sede alegres,

mas deixai
cada um de vós estar sozinho.

Assim como as cordas da lira
são separadas e,
no entanto,
vibram na mesma harmonia.

Dai o vosso coração,
mas não o confieis à guarda um do outro.
Pois somente a mão da Vida
pode conter o vosso coração.
E vivei juntos,
mas não vos aconchegueis demasiadamente.

Pois as colunas do templo
erguem-se separadamente.
E o carvalho e o cipreste
não crescem à sombra um do outro.

Kalil Gibran

Luiza Frazão é Sacerdotisa de Avalon, tendo sido formada durante três anos pelo Templo da Deusa de Glastonbury, onde fez igualmente por um ano a formação de Sacerdotisa de Rhiannon, Deusa do Amor e da Sexualidade sagrada. É professora, investigadora, autora, comunicadora, criadora da Roda do Ano e Guardiã do Templo da Deusa Cale do Jardim das Hespérides, a dimensão sobrenatural do nosso território. Como cerimonialista, concebe e realiza cerimónias de grande beleza e significado, abençoadas pela Deusa. Entre elas, a União de Mãos, que celebra e magnifica o amor entre duas pessoas e o seu compromisso uma para com a outra. Cada cerimónia é concebida em função das pessoas envolvidas e do espaço onde tem lugar.

Para mais informações:

e-mail: jardimdashesperidestemplo@gmail.com


domingo, 20 de setembro de 2015

CERIMONIALISTA DA DEUSA

Na espiritualidade da Deusa, cerimónias são atos poderosos e transformadores, imbuídos de beleza e de sagrado, em que a sacerdotisa facilita a manifestação da energia da Deusa a fim de que Ela atue em nós, nas nossas vidas e no mundo.
Cerimónias podem ser concebidas e desenhadas para todos os momentos importantes da vida, todos os ritos de passagem, ou simples momentos em que nos sentimos apt@s a entrar noutro ritmo e dimensão e que por isso mesmo queremos impregnar da marca do sagrado, convidando amig@s e familiares para serem nossas testemunhas e apoiantes e para connosco celebrarem.

Cerimónias podem ainda ser oferecidas por amig@s ou familiares a pessoas cuja recetividade e consonância com a energia do Divino Feminino se conheçam à partida, assim como podem ajudar na integração e harmonização em momentos tensos e desarmoniosos, que impliquem perdas ou envolvam questões de saúde.

Cada cerimónia é personalizada, concebida em função da pessoa, ou pessoas, envolvida(s), da situação concreta e do espaço onde se realizará.

Segue-se uma lista de cerimónias possíveis:

Celebrações da Roda do Ano
Nomeação / atribuição do nome a um/a recém-nascida/o
Casamento / União de Mãos
Renovação de votos que nos ligam à pessoa amada
Menarca
Maioridade
Menopausa
Cura / Harmonização
Mudança de residência
Divórcio
Início duma nova atividade / negócio
Funeral





                                                                                                          

sábado, 21 de março de 2015

O ARCO ATLÂNTICO


A Cultura do Arco Atlântico

 Arco Atlântico ou Europa Atlântica são termos geográficos e antropológicos usados para definir a porção ocidental da Europa banhada pelo oceano Atlântico e designam uma região com certas peculiaridades culturais e biogeográficas comuns. Abarca os estados situados no extremo ocidental do continente e numa definição mais ampla compreende o noroeste de Espanha, Portugal, o norte de França, as Ilhas Britânicas, os Países Baixos, o norte da Alemanha e a Escandinávia.

O clima e as condições físicas são relativamente similares ao longo de toda a área (com exceção de certas partes da Escandinávia e do Báltico), dando lugar a paisagens similares com vegetação e fauna endémicas. Dum ponto de vista estritamente físico, a maior parte da costa da Europa Atlântica pode ser considerada uma mesma região biogeográfica.

Origens

@s arqueólog@s observaram nos povoados pré-históricos do Arco várias características comuns, como demonstram os achados arqueológicos e as construções que chegaram até aos  nossos dias, o que indica a existência de algum tipo de comércio entre as diversas regiões que integram o Arco. Além disso, estudos genéticos parecem indicar relações entre grupos de população do Arco Atlântico, em contraste com a Europa Central ou Mediterrânica.


Alguns exemplos são a cultura megalítica europeia e a cultura do Bronze Atlântico, localizada inicialmente na costa occidental de França y na Bretanha, mas com claras ramificações nas Ilhas Britânicas e na Península Ibérica, como demonstram certos produtos tais como espadas e machados característicos desta cultura, que eram comprados e vendidos ao largo das rotas atlânticas.

A Europa Atlântica é um termo utilizado também para designar o território ocupado pelos povos celtas ou de origem celta da Europa Ocidental. Tomando como base o registo arqueológico, genético e cultural vári@s autor@s têm defendido a existência dum contínuo cultural no Arco Atlântico, dando lugar a uma unidade cultural com raízes na pré-história, mas que ainda sobrevive na atualidade, graças sobretudo ao comércio marítimo. Os geógrafos falam também da influência do ambiente natural na construção duma paisagem cultural similar nas costas ocidentais europeias.

Fonte: http://es.wikipedia.org/wiki/Arco_Atlántico

Nota: A imagem do labirinto, Galiza, prova que seja como for esta cultura sofreu forte influência cretense.

Formação de Sacerdotisas da Deusa do Jardim das Hespérides - opinião das formandas

Após completarem a primeira Espiral, algumas das formandas disseram: “Profundamente transformador, com ênfase em exercícios práticos...