quinta-feira, 13 de fevereiro de 2020

JARDIM DAS HESPÉRIDES – NA ROTA DE CALE, DEUSA DUPLA, HONRANDO A SENHORA DO VERÃO E A ANCIÃ DO INVERNO

Coordenadora: Sónia Maria Johnson Bomfim (Brasil)
Sacerdotisa acompanhante: Luiza Frazão (Portugal)
Colaboração: Amala Oliveira (Portugal)

17 – 24 de maio 2020

A herança da Deusa no nosso território é imensa e não pára de revelar-se, sendo uma das mais antigas, ricas e bem preservadas do mundo céltico e mais além.

À medida que os véus que escondem a Sua dimensão, designada entre nós por Jardim das Hespérides, se vão lentamente abrindo, a visão das várias camadas do antigo culto da Deusa torna-se cada vez mais nítida e fascinante, quando nela focamos a nossa atenção, e sobretudo quando visitamos os antigos lugares sagrados que são os portais pelos quais mais facilmente acedemos à Sua maravilhosa, transformadora e curadora energia.

Entre as várias camadas culturais que por milénios se foram formando no território, por influências várias, é possível distinguirmos de forma nítida aquela que, sendo bem antiga e primordial, enforma ainda hoje a religiosidade popular e o culto da Senhora entre nós. A visão da Deusa como Dupla, espelhando a alternância das estações, do dia e da noite, da luz e da escuridão, das fases ovulatória e menstrual da mulher, é claramente perceptível na forma como a Deusa continua ainda hoje em dia a ser cultuada no território português.

Esta peregrinação oferece-te a oportunidade de penetrares no Jardim das Hespérides pelo seu portal mais sagrado e de aí conheceres e percorreres os lugares onde a Deusa foi e continua a ser a Pastorinha, a Donzela que, tal como Perséfone ou Proserpina, sofreu martírio, como acaba o Verão e a terra fértil dá lugar às desoladas e estéreis paisagens do Inverno… E no entanto, erguendo as brumas do Seu mistério, é possível reconhecê-La no lugar mais inesperado e ainda assim um dos mais conhecidos e frequentados do mundo inteiro, se tivermos olhos e inteligência do coração para isso. 

À medida que seguimos para Norte, honraremos igualmente em cerimónia a Deusa Anciã, nos Seus lugares mais sagrados, sem deixarmos de nos conectar com a apaixonada e fértil energia de Maio, do festival celta de Beltane, o festival da Deusa Amante, que nos aguarda na Casa do Amor, dirigida por Amala Oliveira.

Como é próprio duma peregrinação, adentraremos dimensões físicas e etéricas, sagradas e profanas, deste mundo e de outros mundos, abrindo o nosso coração à energia mágica e curadora do Jardim das Hespérides, das irmãs do Poente que guardam os segredos da imortalidade...

Passeios, visitas, comunicações, cerimónias, artes da Deusa, cura e... muita magia!

TEMPLO DA DEUSA DE AZEITÃO

Neste  novo Templo da Deusa arde a Chama do Jardim das Hespérides, a dimensão da Deusa no nosso território.

Inaugurado/activado em cerimónia no domingo 9 de fevereiro, pela sacerdotisa Luiza Frazão e por um grupo de Sacerdotisas da Deusa do Jardim das Hespérides em formação. Energia maravilhosa.

O templo é da responsabilidade de Marlene Pinto Cabral, Cristina Grumete e Ana Bergano e ainda está a cuidar da sua presença online.

Fica situado em espaço próprio bem no centro de Azeitão, Praça da República, N. 17, e promete dinamizar muitas actividades.

Durante o mês de Fevereiro, o Templo estará aberto ao sábado, entre as 10:00  e as 19:00,e também à segunda-feira de manhã.

Fiquem atent@s a mais informação.




quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

ONDE ENCONTRAR A DEUSA EM ÓBIDOS



Nesta vila antiga da zona Oeste de Portugal, foi criado em maio de 2017 o Templo da Deusa, que abre as portas ao público na Travessa Maria Adelaide Ribeirete, n. 6, às terças e quartas-feiras, entre as 14:30 e as 18:00. Para além de ser um lugar de formação, é essencialmente um lugar de devoção, meditação, introspecção, oração, conexão com a divindade feminina nas Suas várias faces e formas, que espelham a evolução do tempo, da nossa vida, e das estações do ano. Aí se honra e celebra a Grande Deusa dos primórdios da humanidade e do nosso território, nas Suas invocações como Cale/Calaica/Cailícia/Beira, a Deusa que deu o nome a Portugal (Portus Cale) e à Galiza (Cailícia), bem como Hespéria, que deu o nome à nossa dimensão sagrada da Deusa, o Jardim das Hespérides, as Nove Irmãs do Poente, assim como várias outras Divindades femininas outrora cultuadas aqui, com raízes muitas delas na cultura celta que partilhamos desde as origens.

Na informação histórica sobre esta vila de Óbidos, consta que terá sido fundada pelo povo Celta em 308 a.C. e não é difícil descobrirmos por aqui vestígios do culto da Grande Deusa Celta que foi Brígida/Brigântia, na origem a mesma Deusa. Assim como na Irlanda esta Deusa partilha o Seu poder sobre a terra com outra divindade, Erin/Eriu/Eire, também em Portugal é possível encontrarmos uma estreita relação entre Ela e Iria, que se manteve na devoção cristã como Santa Iria, uma presença constante praticamente do Norte ao Sul, mas em especial na zona Centro do país. Aqui perto, na Usseira de Óbidos, se realiza uma feira anual, a 20 de Outubro, a Ela dedicada, e sob a Sua protecção se encontrava também o aqueduto construído no séc. XVI, que trazia água de um manancial existente nessa localidade até à vila de Óbidos.

Aqui ainda se celebra com grande pompa o Imbolc celta, com festejos muito concorridos, que começam de forma bem precoce a 17 de Janeiro, no monte agora dedicado a Santo Antão, onde antes se fazia a bênção dos animais, e agora, ainda no meio de grande folia e animação, apenas se compram e põem a arder velas protectoras enroladas nas fitinhas cor-de-rosa da Deusa Donzela, que é a Pastorinha, protectora dos rebanhos, da agricultura, Deusa da cura, das águas sagradas de cura, do fogo da forja, da poesia, da sabedoria, da profecia, da magia, do limiar e de todas as artes e ofícios.

Crê-se que as tradições desta Grande Deusa Celta foram, com o cristianismo, herdadas também pela Senhora invocada como Santa Maria, à qual foi dedicada a mais bela e imponente igreja de Óbidos, onde se podem apreciar, além de outras obras de arte, representações de Santa Catarina pela pintora local, que viveu no séc. XVII, Josefa de Óbidos. Ainda pelo Imbolc, a Candelária cristã, na noite de 1 de Fevereiro sai habitualmente uma procissão com banda de música e velas acesas nas mãos das e dos devotos, desde a Porta da Graça até Santa Maria. Nessa cerimónia faz-se a bênção dos bebés recém-nascidos, repetindo-se por certo um gesto bem antigo de invocar a protecção de Brígida, que é também a Deusa Parteira.



Só referir ainda que a casa que alberga o Templo foi encontrada pelo Imbolc de 2017 e a assistente social que deu o nome à travessa onde se encontra, Maria Adelaide Ribeirete, foi a mesma que criou os famosos bordados de Óbidos, inspirando-se precisamente nos desenhos que decoram o tecto da mesma igreja de Santa Maria, e que depois deu às mulheres habilidosas e carenciadas da região para, com a sua venda, às e aos turistas em número crescente, poderem ter mais meios de subsistência. Aqui bem perto, corre a Biquinha, uma nascente de águas de cura, excelente para curar males dos olhos. Brígida, ou Iria-Brígida, Santa Maria, Senhora da Graça, Deusa das águas de cura e das artes e ofícios, aqui cultuada por séculos e séculos continua bem presente nesta bela região do Oeste de Portugal e a Ela foram por certo também dedicadas as águas termais de cura, que antes de serem as caldas da Rainha, brotam aqui bem junto das ruínas de Eburobricio, que se julga ter sido o  berço da Óbidos actual, topónimo que só por si já contém no sufixo –bricio a referência a esta mesma Deusa de que falamos. Abençoada seja.        

Workshops de imersão na energia da Deusa em Óbidos/Jardim das Hespérides são organizados por marcação para um grupo de entre 6 e 10 pessoas. Contacto através do email: templodadeusadojardimdashesperides@gmail.com

JARDIM DAS HESPÉRIDES – NA ROTA DE CALE, DEUSA DUPLA, HONRANDO A SENHORA DO VERÃO E A ANCIÃ DO INVERNO

Coordenadora: Sónia Maria Johnson Bomfim (Brasil) Sacerdotisa acompanhante: Luiza Frazão (Portugal) Colaboração: Amala Oliveira (Por...